A Lei Geral de Proteção de Dados Afeta a Abordagem de Clientes?

A Lei Geral de Proteção de Dados Afeta a Abordagem de Clientes?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) brasileira foi sancionada em 2018 e dita algumas bases para uso, armazenamento e obtenção de dados pessoais.

Ainda que a lei só passe a ser realmente obrigatória em todos os seus aspectos no ano de 2020, você precisa entender de que maneira ela pode afetar seu negócio e como trabalhar após as regulamentações!

Como funciona a Lei Geral de Proteção de Dados?

A Lei Geral de Proteção de Dados foi criada seguindo a linha da europeia GDPR, com o objetivo principal de oferecer, ao titular, livre acesso e controle de suas informações pessoais armazenadas em bancos de dados de terceiros.

A partir da aplicação da lei, prevista para agosto de 2020, qualquer indivíduo pode, quando quiser, entrar em contato com empresas que ele acredite que tenha seus dados. Diante disso ele pode solicitar mudanças, pedir exclusão de informações.

Além disso, é necessário informar o portador caso alguma informação pessoal — aquela que pode identificar, realmente, uma pessoa —, independente de qual seja, for utilizada para qualquer fim que não seja o exposto pela empresa no momento da obtenção dos dados.

Vale apontar que isso não é regra somente para negócios que trabalham com banco de dados digital, mas também para empresas que mantêm contratos extensos com muitas informações a respeito de indivíduos.

A LGPD pode afetar a abordagem dos seus clientes?

Essa é uma resposta que dependerá unicamente da maneira como sua empresa lidará com os dados pessoais obtidos. Caso você oriente a utilização das informações de maneira idônea e transparente, provavelmente não terá problemas.

Isso porque a Lei Geral de Proteção de Dados tem algumas exceções, dentre as quais podem ser destacadas duas:

Legítimo interesse

As informações contidas na base da empresa podem ser usadas caso, de alguma maneira, possam prestar um serviço que beneficie seus titulares.

Proteção ao crédito

Os dados pessoais podem ser utilizados caso sirvam para apoiar um sistema antifraude, para identificar possíveis criminosos ou auxiliar a tomada de decisão para a concessão de crédito ao consumidor, a fim de evitar inadimplência.

Esses aspectos devem ser levados em conta, por exemplo, na hora de buscar um serviço de higienização e enriquecimento de sua base cadastral.

Opte sempre por empresas que busquem a regularização perante a LGPD, como a TargetData! Adicione ao dia a dia de sua empresa as medidas necessárias para estar sempre de acordo com as novas normas, desde já.

Para mais dicas, confira os outros artigos em nosso blog!