Qualidade de dados para fintechs

Importância da Qualidade dos Dados para as Fintechs

Estrutura enxuta, novas experiências ao usuário, serviços menos burocráticos e característica tecnológica. As fintechs – startups voltadas para o mercado financeiro – têm ganhado cada vez mais espaço no mercado, ameaçando ou mesmo reinventando o tradicional serviço oferecido pelos bancos.

Já existe fintech para quase todos os modelos de negócios. A de maior popularidade é o Nubank, que já recebeu mais de um milhão de solicitações do cartão de crédito sem vínculo com conta bancária. Já o Banco Original, empreitada do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem como objetivo ser uma instituição sem agências, em que o relacionamento com o usuário é 100% digital. Existem ainda plataformas de concessão de crédito, como a Biva e a Easy Crédito, assim como apostas em plataformas de negociação online para recuperação de dívidas, a exemplo do Dr. Débito e Quero Quitar.

Porém, apesar das novas propostas trazidas por estas empresas, os fornecedores estratégicos continuam os mesmos do mercado financeiro tradicional, especialmente no que se refere à qualidade dos dados do consumidor inadimplente. “Na Quero Quitar, temos um trabalho feito junto com a empresa credora, em que ela traz os dados que tem naquele momento para apoiar o processo. Então são dados firmados em contrato com o cliente e nem sempre estão atualizados. Temos de localizar os dados dos credores e quem pode ajudar neste processo são os bureaus de dados”, conta Marc Lahoud, CEO da Quero Quitar.

Neste cenário, a TargetData, um dos principais bureaus de informações do país – com constantes atualizações em suas base de dados e suporte operacional e tecnológico personalizado, possui dados que melhoram os processos dos seus clientes.

Para facilitar a atividade de avaliação de crédito, prevenção à fraude e localização de inadimplentes, a TargetData disponibiliza ao mercado informações de mais de 200 milhões de Pessoas Físicas e mais de 38 milhões de Pessoas Jurídicas. Tudo isso para garantir aos seus clientes e ao mercado financeiro (incluindo fintechs), a utilização de soluções inovadoras – posicionando-as em um novo patamar na qualificação de suas base de dados.

Fonte: Blog Televendas & Cobrança